Saúde do Coração com Microfisioterapia

O nosso corpo é interligado e é preciso tudo estar na mesma sintonia para a saúde plena. Este foi feito para funcionar em harmonia, com os órgãos tocando a mesma melodia. O coração está na bateria, ele dita um ritmo. É o órgão principal da circulação sanguínea, e através do seu ritmo, é capaz de responder instantaneamente à menor solicitação, seja ela fisiológica (esforço) ou psicológica (emoção). Pela sua estreita relação com o cérebro, é capaz de regular de maneira muito precisa as pressões e os ritmos circulatórios que as circunstâncias ambientais necessitam. Sua relação com o Inconsciente é forte e explica a importante influência das nossas emoções conscientes e inconscientes no nosso ritmo cardíaco.

Quando um trauma acontece, seja emocional, toxicológico ou físico, provoca uma mudança a nível celular. Pode-se superá-lo sem marcas, como também a situação pode deixar cicatrizes, sinais que vão continuar afetando o organismo sem que tomemos consciência disto. Os sintomas dão o alerta de que algo não está bem. As palpitações, as taquicardias, os infartos, as hipertensões e outros problemas cardíacos e circulatórios exprimem o nosso sofrimento para gerar os nossos estados emocionais e também para reagir às toxinas. Quando eles se tornam crônicos, como dores e doenças que não curam, fica ainda mais evidente que há um porquê por trás de tudo isso.

Pesquisadores de diversas partes do mundo já dedicaram parte do seu tempo para pesquisar as relações entre as emoções e as doenças. A solidão, por exemplo, está entre as situações que fragilizam o corpo, reduzem a imunidade e tem, inclusive, efeitos nocivos sobre a pressão arterial e o colesterol. Pesquisa divulgada na Northwestern University (EUA) relatou que adultos que vão para cama sozinhos e se sentem isolados, apresentam no dia seguinte um aumento dos níveis de cortisol (hormônio ligado ao stresse e outros problemas de saúde, como doenças cardiovasculares). 

O trabalho da microfisioterapia é justamente encontrar esses porquês e, a partir da origem primária de um sintoma, auxiliar o corpo a trabalhar na busca do equilíbrio e da vitalidade. Isso é feito por meio de micropalpações, é por meio delas que o terapeuta encontra pontos onde houve perda do ritmo vital na célula. E é também por meio desses pontos que ele identifica o tipo de trauma ocorrido e, seguindo o princípio da autoregulação, semelhante à acupuntura, busca a autocorreção do organismo.

Dr. Paulo Fonseca